PESQUISAS NO BLOG E WEB.

Carregando...

segunda-feira, 5 de março de 2012

A Parábola do Bom Samaritano.

Leitura Bíblica: Lucas, capítulo 10, versículos 25 a 37

Um dia, um pobre homem descia da cidade de Jerusalém para outra cidade, Jericó, a trinta e três quilômetros daquela capital, no vale do Rio Jordão. A estrada era cheia de curvas. Nela havia muitos penhascos, em cujas grutas eram comuns se refugiarem os salteadores de estradas, que naquele tempo eram muitos e perigosos. O pobre viajante foi assaltado pelos ladrões. Os salteadores usaram de muita maldade, pois, além de roubarem tudo o que o pobre homem trazia, ainda o espancaram com muita violência, deixando-o quase morto no caminho. Logo depois do criminoso assalto, passou por aquele mesmo lugar um sacerdote do Templo de Salomão.

Esse sacerdote vinha de Jerusalém, onde possivelmente terminara seus serviços religiosos, e se dirigia também para Jericó. Viu o pobre viajante caído na estrada, ferido, meio morto. Não se deteve, porém, para socorrê-lo. Não teve compaixão do pobre ferido, abandonado no chão da estrada. Apesar dos seus conhecimentos da Lei de Deus, era um homem de coração muito frio. Por isso, continuou sua viagem, descendo a montanha, indiferente aos sofrimentos do infeliz... Instantes depois, passa também pelo mesmo lugar um levita. Os levitas eram auxiliares do culto religioso do Templo.

Esse levita não procedeu melhor do que o sacerdote. Também conhecia a Lei de Deus, mas, na sua alma não havia bondade e ele fez o mesmo que o padre, seu chefe. Viu o ferido e passou de largo. Uma terceira pessoa passa pelo mesmo lugar. Era um samaritano, que igualmente vinha de Jerusalém. Viu também o infeliz ferido da estrada, mas, não procedeu como: o sacerdote e o levita. O bom samaritano desceu do seu animal, aproximou-se do pobre judeu e se encheu de grande compaixão, quando o contemplou de perto, com as vestes rasgadas e sangrentas e o corpo ferido pelas pancadas que recebera. Imediatamente, o bondoso samaritano retirou do seu saco de viagem duas pequenas vasilhas.

Uma era de vinho, com ele desinfetou as feridas do pobre homem; outra, de azeite, com que lhe aliviou as dores. Atou-lhe os ferimentos e levantou o desconhecido, colocando-o no seu animal. Em seguida, conduziu-o para uma estalagem próxima e cuidou dele como carinhoso enfermeiro, durante toda a noite. Na manhã seguinte, tendo de continuar sua viagem, chamou o dono do pequeno hotel, entregou-lhe dois denários (*) e recomendou-lhe que cuidasse bem do pobre ferido: 

— Tem cuidado com o pobre homem. Se gastares alguma coisa além deste dinheiro que te deixo, eu te pagarei tudo quando voltar. 

*
Jesus contou esta parábola a um doutor da lei que Lhe havia perguntado: 

— Mestre, que devo fazer para possuir a Vida Eterna? 

Jesus lhe respondeu que era necessário amar a Deus de todo o coração, de toda a alma, de todas as forças e de todo o entendimento; e também amar ao próximo como a si mesmo. 

O doutor da lei, apesar de sua sabedoria, perguntou ao Divino Mestre quem é o próximo. Então, Jesus lhe contou a Parábola do Bom Samaritano. Terminada a história, o Senhor perguntou ao sábio judeu: 

— Qual dos três (o sacerdote, o levita ou o samaritano) te parece que foi o próximo do pobre homem que caiu em poder dos ladrões? 

— Foi o que usou de misericórdia para com ele - respondeu o doutor. 

— Vai e faze o mesmo — disse-lhe o Divino Mestre.

6 comentários:

  1. adoro essa passagem,domingo vou dar uma aula sobre esse texto na escola biblica espero q Deus me ajude...

    ResponderExcluir
  2. É aí onde mora o problema, não adianta só adorar a parábola e dizer que vai dar uma aula ou coisa que o vaila. Como está você diante dos outros?. Dos que não são da sua religião, dos seus desafetos, dos céticos, das minorias segregadas, etc?. Olhe para sua consciência: Está mais para o bom samaritano ou mais para o fariseu ou para o levita o levita?.

    Nos meus 62 de vida e 28 de professor, vejo e ouço diariamente dezenas de pessoas que se arrogam salvas, importantes e profundamente "religiosas", que estão muito mais para os primeiros e olhe olhe.

    Geová

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desejo que Deus lhe abençõe, e estas pessoas que se dizem realmente religiosas, sentem-se assim devido ao cuidado com a palavra de Deus, a paz que sentimos na presença de Cristo é inexplicável, é a sensação mais maravilhosa que um ser humano pode sentir, fica com Deus.

      Excluir
  3. Educar uma criança não é lhe empurrar uma religião, pois a mesma nem se quer tem formação intelectual para compreender o que lhe está sendo imposto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E vc Geová Raimundo porque leciona se não acredita na capacidade intelectual de aprendizado que as crianças tem.Com certeza tem coisas dentro da Palavra que Deus revela a elas que jamais será revelado a pessoas arrogantes como vc

      Excluir